segunda-feira, 30 de maio de 2011

SANTA PETRONILA - 31 DE MAIO











O prenome Petronila é um diminutivo do prenome Pedro ou Petrus. Ela era descendente de Titus Flavius Petro, avô do imperador romano Vespasiano.


 

Como muitos dos santos dos primeiros tempos da Igreja, não se conhece praticamente muita coisa da vida de Petronila.

As únicas informações seguras que há são o nome que ela trazia e o fato de ser uma mártir: estas duas indicações figuram num afresco do Século IV encontrado na basílica subterrânea das catacumbas de Roma.


 




Este afresco, um dos mais antigos da cristandade, encontra-se atrás da abside da basílica que o Papa Sirício (cujo papado durou de 384 a 399) mandou construir, entre 390 e 395, na Via Adreatina, conhecida como Via Domitilla.

Neste afresco figura a inscrição PETRONELLA MART.








O sarcófago que conservava os restos da santa foi transferido para a basílica pontifical pelo Papa Paulo I, em 757 e se encontra, desde então, na Basílica de São Pedro.








De acordo com a tradição, Santa Petronila seria filha espiritual de São Pedro Apóstolo, pois teria sido batizada por ele.


 Chegou mesmo a ser dito, na *Legenda Áurea, que Petronila seria filha biológica de São Pedro. Todavia, o mais provável é que tudo não passe apenas de uma coincidência entre os dois prenomes.









Carlos Magno, Imperador francês, em meados do ano 800, foi visitar a capela onde repousava o corpo de Petronila e pareceu ter uma profunda veneração por ela.

 Aliás, desde a época de Carlos Magno, Petronila ficou conhecida como padroeira dos reis da França, tornando-se sua padroeira nacional quando aquele país foi nomeado “Filha primogênita da Igreja”, quer dizer, a França é a primeira “filha” da Igreja Católica, assim como Petronila é a “filha” do primeiro Chefe da Igreja (a França foi o primeiro grande país da Europa Ocidental a se converter ao Cristianismo – N.T.).



 


Conta a lenda que Flaccus, nobre romano, seduzido pela beleza da jovem Petronila, pediu-a em casamento, porém esta desejava consagrar-se a Deus e recusou-lhe o pedido.

 Flaccus ameaçou-a e deu-lhe um prazo de apenas três dias para responder-lhe favoravelmente.






Petronila orou, jejuou e, atendendo às suas orações, Deus chamou-a para Si.

Ao retornar, Flaccus pôde apenas assistir ao seu funeral.





Morte de Santa Petronila




Santa Petronila é representada com a palma do martírio, freqüentemente em companhia de São Pedro.

Ela é invocada contra febres, pois ela teria sofrido muito com esse problema.













Santa Petronila (variantes nome incluem Aurélia Petronilla; Pernelle; Peroline; Perrenotte; Perrette; Perrine; Perronelle; Petronella; Peyronne; Peyronnelle; Pierrette; Perette; Perine; Pétronille , morreu no final do primeiro século, ou talvez terceiro século) é venerada como uma virgem mártir pela Igreja Católica . Morreu em Roma .








ÍNDICE

Uma identidade

2 Burial

3 A Capela de S. Petronila






Identidade

Petronila é tradicionalmente identificada como a filha de São Pedro , embora isso possa tronco simplesmente por causa da semelhança dos nomes. Acredita-se que ela pode ter sido uma conversão do santo (e, portanto, uma "filha espiritual"), ou um seguidor ou servo.

 Diz-se que São Pedro curou da paralisia .



inscrições romanas, no entanto, identificá-la simplesmente como um mártir. Ela pode ter sido relacionada a Santa Domitila .



Histórias associadas a ela incluem aqueles que dizem que ela era tão bonita que estava trancada em uma torre para mantê-la dos homens elegíveis; que um rei pagão chamado Flaco , querendo casar com ela, levou Petronila a uma greve de fome , da qual ela morreu.


 Enterro

 






O Enterro de Santa Petronila  , por Guercino , 1621-1622



Quase todas as maiorias das 6 listas dos túmulos dos mártires venerados em Roma do sétimo século   mencionam o túmulo de  Petronila situado na Via Ardeatina perto de Santos Nereu e Aquiles . 

 Esses anúncios têm sido totalmente confirmados pelas escavações na Catacumba de Domitila.

Uma topografia dos túmulos dos mártires romanas, Epitome libri de martyrum sanctorum locis , localizam na Via Ardeatina a Igreja de S. Petronila, na qual os Santos Nereu e Aquiles, bem como Petronila, foram enterrados.



Esta igreja, construída na catacumba mencionada acima, foi descoberta, e os monumentos encontrados retiraram  qualquer dúvida que os túmulos dos três santos eram venerados lá.



Uma pintura, na qual Petronila é representada como uma pessoa falecida (chamado Veneranda) no céu, foi descoberta na pedra de fechamento de um túmulo em uma cripta subterrânea por trás da abside da Basílica.

Ao lado da  imagem é encontrado o nome dela : Mart Petronilla. (Ano).

Essa pintura foi feita pouco depois de 356, é comprovada por uma inscrição encontrada no túmulo.



Assim, é claramente estabelecido que Petronila era venerada em Roma como uma mártir no século 4, e o testemunho deverá ser aceito como certeza histórica, não obstante a legenda depois em que ela aparece apenas como uma virgem .

 Outro conhecido, mas infelizmente já não existe, memorial foi o sarcófago de mármore, que continha os restos dela, sob o Papa Paulo I trazidos para a Basilica de São Pedro .

 No Liber Pontificalis a inscrição esculpida no sarcófago é dada assim:

Aureae Petronillae Filiae Dulcissimae ("da Petronilla de ouro, a filha mais doce").

O sarcófago foi descoberto, na própria capela dedicada a ela na antiga São Pedro , sob o Papa Sisto IV , que se apressou para informar Luís XI da França .

Sabemos, no entanto, do século 16 sobre esse sarcófago que a primeira palavra foi Aur. (Aureliae), para que o nome do mártir foi Aurélia Petronila.

O segundo nome vem do Petro ou Petrônio, e, como o nome do bisavô do cônsul cristão, Titus Flavius ​​Clemens , foi Tito Flávio Petrônio , é muito possível que Petronila era um parente do Christian Flavii , que eram descendentes da família senatorial do aurelii.

Essa teoria também poderia explicar porque Petronila foi sepultada na catacumba de Domitila Flávia.

 Como esta última, Petronila pode ter sofrido durante a perseguição de Domiciano , talvez não até mais tarde.





No século catálogo romano de "festas de mártires, que é usado na Hieronymianum Martyrologium , seu nome parece não ter sido inserido.

Ela ocorre no martirológio ,   mas apenas como uma adição posterior. Seu nome é dado em 31 de maio e os Martyrologies de Beda e seus imitadores adotam a mesma data.



A ausência de seu nome do calendário romano do século 4 de festas sugere que Petronila morreu no final da primeira ou durante o século 2, já que nenhuma festa especiais para os mártires era celebrada durante esse período.

Após a construção da basílica sobre seus restos e os de Santos Nereu e Aquiles, no século 4, o seu culto estendeu amplamente e seu nome era, portanto, admitiu mais tarde para o martirológio.


Uma lenda, cuja existência no século 6 é comprovada pela sua presença na lista dos túmulos dos mártires romanas elaboradas pelo Abade João, no final deste século,  refere Petronila como uma filha real de São Pedro .

No gnóstico apócrifo Atos de São Pedro , do século segundo, uma filha de Pedro é mencionada, embora seu nome não é dado.



A lenda sendo amplamente propagada por esses Atos apócrifos, Petronila foi identificada em Roma, com esta suposta filha de São Pedro, provavelmente por causa de seu nome e da grande antiguidade do seu túmulo.

Como tal, mas agora como uma virgem, não como um mártir, ela aparece nos Atos dos mártires lendário Nereu e S. Aquileu e no Liber Pontificalis .

A partir desta lenda dos Santos Nereu e Aquiles um anúncio semelhante foi admitido na martyrologies histórico da Idade Média, e daí para o moderno Martirológio Romano .



A Capela de S. Petronila









Em 757 o caixão contendo os restos mortais da santa foram transferidos para um prédio antigo circular (um imperial mausoléu que data do final do século 4) perto de São Pedro.



 Este edifício foi alterado e se tornou a Capela de Santa Petronila (De Rossi, "Inscriptiones christianae urbis Romae", II, 225).



Sua capela se tornou o lugar do enterro de reis franceses.

 Sua associação com a coroa francesa decorre do fato de que Carlos Magno e Carlomano eram considerados filhos adotivos de São Pedro após 800.

Petronila, como a suposta filha de Pedro, tornou-se sua padroeira e dos Tratados celebrados entre a Santa Sé e o franco imperadores.



Quando São Pedro foi reconstruída no século 16, as relíquias de Santa Petronila foram trazidas para um altar dedicado a ela na parte superior do lado direito do corredor (perto da cúpula).

A capela inclui enfeites por Michelangelo e Bramante .



Guercino pintou um retábulo pintado chamado O Enterro de Santa Petronila , em 1623.

É ao mesmo tempo mostra o enterro e as boas-vindas para o céu da martirizada Santa Petronila.

O altar é dedicado a santa, e ela contém relíquias .



Sua festa cai em 31 de Maio.

AMissa neste dia, na Basílica de São Pedro é oferecida pela França  com a participação de residentes franceses de Roma.



Ela é a padroeira de dauphins na França porque um golfinho (em francês dauphin), foi supostamente encontrado esculpido em seu sarcófago.





Santa Petronila e os doentes





santa petronila chegando no céu



petronila recebida por Cristo


santa petronila amarrando o diabo

petronila servindo




medalha de santa petronila

petronila servindo os discípulos



















3 comentários:

  1. Foi uma grande surpresa saber de santa Petronila. Não sabia desta santa. Minha mãe chama-se Petronila e seu aniversário é 31 de maio. Estou muito feliz por saber desta descoberta. Muito obrigada.....Josina..

    ResponderExcluir
  2. Petronilha ou Petronilla?

    ResponderExcluir
  3. PETRONILA EM PORTUGUÊS.

    UMA PARTE DESSE TEXTO FOI RETIRADO DA WIKIPEDIA E SE ESCREVE PETRONILLA EM INGLÊS.

    MAS ESSA SANTA TAMBÉM É CONHECIDA COMO

    Aurélia Petronilla;
    Pernelle;

    Peroline;
    Perrenotte;
    Perrette;
    Perrine;
    perronelle;
    Petronella;
    Peyronne;
    Peyronnelle;
    Pierrette;
    Perette;
    Perine;
    Pétronille

    ResponderExcluir