terça-feira, 31 de maio de 2011

NOSSA SENHORA DA VISITAÇÃO - FESTA DA VISITAÇÃO DE MARIA A ISABEL - 31 DE MAI






Nossa Senhora da Visitação

Maio é o mês dedicado à particular devoção de Nossa Senhora.






 A Igreja o encerra com a Festa da Visitação da Virgem Maria à santa prima Isabel, que simboliza o cumprimento dos tempos.

Antes ocorria em 02 de julho, data do regresso de Maria, uma semana depois do nascimento e do rito da imposição do nome de São João Batista.



A referência mais antiga da invocação de Nossa Senhora da Visitação pertence a Ordem franciscana, que assim a festejavam desde 1263, na Itália.



 







 












Em 1441, o Papa Urbano VI instituiu esta festa, pois a Igreja do Ocidente necessitava da intercessão de Maria, para recuperar a paz e união do clero dividido pelo grande cisma.

A Bíblia narra que Maria viajou para a casa da família de Zacarias logo após a anunciação do Anjo, que lhe dissera "vossa prima Isabel, também conceberá um filho em sua idade avançada.

 E este é agora o sexto mês dela, que foi dita estéril; nada é impossível para Deus". (Lc 1, 26, 37).

Já concebida pelo Espírito Santo, a puríssima Virgem foi levar sua ajuda e apoio à parenta genitora do precursor do Messias Salvador.





O encontro das duas Mães é a verdadeira explosão de salvação, de alegria e de louvor ao Criador.

Dele resultou a oração da Ave Maria e o cântico do "Magnificat", rezados e entoados por toda a cristandade aos longos destes mais de dois milênios.

Desde 1412, Nossa Senhora da Visitação é festejada especialmente pelos italianos da Sicília, como a Padroeira da cidade da Enna.

 Mas nem todo o mundo cristão celebrava esta veneração, por isto foi confirmada no sínodo de Basiléia em 1441.



Os portugueses sempre a celebraram com muita pompa, porque rei D. Manuel I, o Venturoso, que governou entre 1495 e 1521, escolheu Nossa Senhora da Visitação a Padroeira da Casa de Misericórdia de Lisboa, e de todas as outras do reino.

Foi assim que este culto chegou ao Brasil Colônia, primeiro na Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, depois se disseminou por todo território brasileiro.

 Antigamente os fieis faziam uma enorme procissão até os Hospitais da Misericórdia para levar conforto aos enfermos e suas doações às instituições.

 Hoje, as paróquias enviam as doações recolhidas com antecedência, para as Pastorais dos enfermos, que atuam com os voluntários junto às Casas de Saúde mais deficitárias.











Tudo para perpetuar a verdadeira caridade cristã, iniciada pela Mãe de Deus ao visitar a santa prima levando sua amizade e ajuda quando mais precisava.

Em 1978, a Madre Maria Vincenza Minet foi chamada pelo Senhor para fundar uma congregação de religiosa sob o carisma de Nossa Senhora da Visitação.

Com o apoio do Bispo de Assis, nesta cidade da Itália nasceu as Servas da Visitação em 1978, para abrirem missões a fim de atender as necessidades dos mais pobres e marginalizados em todos os continentes. Hoje, além da Itália, atuam na Polônia, Filipinas, África e Brasil.


EVANGELHO DE SÃO LUCAS ( 1,39-56)



39 Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá.


40 Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel.







41 Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 4

2 E exclamou em alta voz:

Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.

 43 Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?

44 Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio.

45 Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!

46 E Maria disse:

 Minha alma glorifica ao Senhor,

47 meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador,

48 porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações,



49 porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.

50 Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem.

51 Manifestou o poder do seu braço: desconcertou os corações dos soberbos.

 52 Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes.

53 Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos.

54 Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia,

55 conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre.



 



56 Maria ficou com Isabel cerca de três meses.

Depois voltou para casa.

 
 
 
 
 
 
 
  OUTRAS IMAGENS DA VISITAÇÃO:
 
 
 





























 
 
 
 
 



















NOSSA SENHORA DA VISITAÇÃO  DE PIAT E NOSSA SENHORA DA VISITAÇÃO DE GUIBANG GAMU

 









segunda-feira, 30 de maio de 2011

SANTA PETRONILA - 31 DE MAIO











O prenome Petronila é um diminutivo do prenome Pedro ou Petrus. Ela era descendente de Titus Flavius Petro, avô do imperador romano Vespasiano.


 

Como muitos dos santos dos primeiros tempos da Igreja, não se conhece praticamente muita coisa da vida de Petronila.

As únicas informações seguras que há são o nome que ela trazia e o fato de ser uma mártir: estas duas indicações figuram num afresco do Século IV encontrado na basílica subterrânea das catacumbas de Roma.


 




Este afresco, um dos mais antigos da cristandade, encontra-se atrás da abside da basílica que o Papa Sirício (cujo papado durou de 384 a 399) mandou construir, entre 390 e 395, na Via Adreatina, conhecida como Via Domitilla.

Neste afresco figura a inscrição PETRONELLA MART.








O sarcófago que conservava os restos da santa foi transferido para a basílica pontifical pelo Papa Paulo I, em 757 e se encontra, desde então, na Basílica de São Pedro.








De acordo com a tradição, Santa Petronila seria filha espiritual de São Pedro Apóstolo, pois teria sido batizada por ele.


 Chegou mesmo a ser dito, na *Legenda Áurea, que Petronila seria filha biológica de São Pedro. Todavia, o mais provável é que tudo não passe apenas de uma coincidência entre os dois prenomes.









Carlos Magno, Imperador francês, em meados do ano 800, foi visitar a capela onde repousava o corpo de Petronila e pareceu ter uma profunda veneração por ela.

 Aliás, desde a época de Carlos Magno, Petronila ficou conhecida como padroeira dos reis da França, tornando-se sua padroeira nacional quando aquele país foi nomeado “Filha primogênita da Igreja”, quer dizer, a França é a primeira “filha” da Igreja Católica, assim como Petronila é a “filha” do primeiro Chefe da Igreja (a França foi o primeiro grande país da Europa Ocidental a se converter ao Cristianismo – N.T.).



 


Conta a lenda que Flaccus, nobre romano, seduzido pela beleza da jovem Petronila, pediu-a em casamento, porém esta desejava consagrar-se a Deus e recusou-lhe o pedido.

 Flaccus ameaçou-a e deu-lhe um prazo de apenas três dias para responder-lhe favoravelmente.






Petronila orou, jejuou e, atendendo às suas orações, Deus chamou-a para Si.

Ao retornar, Flaccus pôde apenas assistir ao seu funeral.





Morte de Santa Petronila




Santa Petronila é representada com a palma do martírio, freqüentemente em companhia de São Pedro.

Ela é invocada contra febres, pois ela teria sofrido muito com esse problema.













Santa Petronila (variantes nome incluem Aurélia Petronilla; Pernelle; Peroline; Perrenotte; Perrette; Perrine; Perronelle; Petronella; Peyronne; Peyronnelle; Pierrette; Perette; Perine; Pétronille , morreu no final do primeiro século, ou talvez terceiro século) é venerada como uma virgem mártir pela Igreja Católica . Morreu em Roma .








ÍNDICE

Uma identidade

2 Burial

3 A Capela de S. Petronila






Identidade

Petronila é tradicionalmente identificada como a filha de São Pedro , embora isso possa tronco simplesmente por causa da semelhança dos nomes. Acredita-se que ela pode ter sido uma conversão do santo (e, portanto, uma "filha espiritual"), ou um seguidor ou servo.

 Diz-se que São Pedro curou da paralisia .



inscrições romanas, no entanto, identificá-la simplesmente como um mártir. Ela pode ter sido relacionada a Santa Domitila .



Histórias associadas a ela incluem aqueles que dizem que ela era tão bonita que estava trancada em uma torre para mantê-la dos homens elegíveis; que um rei pagão chamado Flaco , querendo casar com ela, levou Petronila a uma greve de fome , da qual ela morreu.


 Enterro

 






O Enterro de Santa Petronila  , por Guercino , 1621-1622



Quase todas as maiorias das 6 listas dos túmulos dos mártires venerados em Roma do sétimo século   mencionam o túmulo de  Petronila situado na Via Ardeatina perto de Santos Nereu e Aquiles . 

 Esses anúncios têm sido totalmente confirmados pelas escavações na Catacumba de Domitila.

Uma topografia dos túmulos dos mártires romanas, Epitome libri de martyrum sanctorum locis , localizam na Via Ardeatina a Igreja de S. Petronila, na qual os Santos Nereu e Aquiles, bem como Petronila, foram enterrados.



Esta igreja, construída na catacumba mencionada acima, foi descoberta, e os monumentos encontrados retiraram  qualquer dúvida que os túmulos dos três santos eram venerados lá.



Uma pintura, na qual Petronila é representada como uma pessoa falecida (chamado Veneranda) no céu, foi descoberta na pedra de fechamento de um túmulo em uma cripta subterrânea por trás da abside da Basílica.

Ao lado da  imagem é encontrado o nome dela : Mart Petronilla. (Ano).

Essa pintura foi feita pouco depois de 356, é comprovada por uma inscrição encontrada no túmulo.



Assim, é claramente estabelecido que Petronila era venerada em Roma como uma mártir no século 4, e o testemunho deverá ser aceito como certeza histórica, não obstante a legenda depois em que ela aparece apenas como uma virgem .

 Outro conhecido, mas infelizmente já não existe, memorial foi o sarcófago de mármore, que continha os restos dela, sob o Papa Paulo I trazidos para a Basilica de São Pedro .

 No Liber Pontificalis a inscrição esculpida no sarcófago é dada assim:

Aureae Petronillae Filiae Dulcissimae ("da Petronilla de ouro, a filha mais doce").

O sarcófago foi descoberto, na própria capela dedicada a ela na antiga São Pedro , sob o Papa Sisto IV , que se apressou para informar Luís XI da França .

Sabemos, no entanto, do século 16 sobre esse sarcófago que a primeira palavra foi Aur. (Aureliae), para que o nome do mártir foi Aurélia Petronila.

O segundo nome vem do Petro ou Petrônio, e, como o nome do bisavô do cônsul cristão, Titus Flavius ​​Clemens , foi Tito Flávio Petrônio , é muito possível que Petronila era um parente do Christian Flavii , que eram descendentes da família senatorial do aurelii.

Essa teoria também poderia explicar porque Petronila foi sepultada na catacumba de Domitila Flávia.

 Como esta última, Petronila pode ter sofrido durante a perseguição de Domiciano , talvez não até mais tarde.





No século catálogo romano de "festas de mártires, que é usado na Hieronymianum Martyrologium , seu nome parece não ter sido inserido.

Ela ocorre no martirológio ,   mas apenas como uma adição posterior. Seu nome é dado em 31 de maio e os Martyrologies de Beda e seus imitadores adotam a mesma data.



A ausência de seu nome do calendário romano do século 4 de festas sugere que Petronila morreu no final da primeira ou durante o século 2, já que nenhuma festa especiais para os mártires era celebrada durante esse período.

Após a construção da basílica sobre seus restos e os de Santos Nereu e Aquiles, no século 4, o seu culto estendeu amplamente e seu nome era, portanto, admitiu mais tarde para o martirológio.


Uma lenda, cuja existência no século 6 é comprovada pela sua presença na lista dos túmulos dos mártires romanas elaboradas pelo Abade João, no final deste século,  refere Petronila como uma filha real de São Pedro .

No gnóstico apócrifo Atos de São Pedro , do século segundo, uma filha de Pedro é mencionada, embora seu nome não é dado.



A lenda sendo amplamente propagada por esses Atos apócrifos, Petronila foi identificada em Roma, com esta suposta filha de São Pedro, provavelmente por causa de seu nome e da grande antiguidade do seu túmulo.

Como tal, mas agora como uma virgem, não como um mártir, ela aparece nos Atos dos mártires lendário Nereu e S. Aquileu e no Liber Pontificalis .

A partir desta lenda dos Santos Nereu e Aquiles um anúncio semelhante foi admitido na martyrologies histórico da Idade Média, e daí para o moderno Martirológio Romano .



A Capela de S. Petronila









Em 757 o caixão contendo os restos mortais da santa foram transferidos para um prédio antigo circular (um imperial mausoléu que data do final do século 4) perto de São Pedro.



 Este edifício foi alterado e se tornou a Capela de Santa Petronila (De Rossi, "Inscriptiones christianae urbis Romae", II, 225).



Sua capela se tornou o lugar do enterro de reis franceses.

 Sua associação com a coroa francesa decorre do fato de que Carlos Magno e Carlomano eram considerados filhos adotivos de São Pedro após 800.

Petronila, como a suposta filha de Pedro, tornou-se sua padroeira e dos Tratados celebrados entre a Santa Sé e o franco imperadores.



Quando São Pedro foi reconstruída no século 16, as relíquias de Santa Petronila foram trazidas para um altar dedicado a ela na parte superior do lado direito do corredor (perto da cúpula).

A capela inclui enfeites por Michelangelo e Bramante .



Guercino pintou um retábulo pintado chamado O Enterro de Santa Petronila , em 1623.

É ao mesmo tempo mostra o enterro e as boas-vindas para o céu da martirizada Santa Petronila.

O altar é dedicado a santa, e ela contém relíquias .



Sua festa cai em 31 de Maio.

AMissa neste dia, na Basílica de São Pedro é oferecida pela França  com a participação de residentes franceses de Roma.



Ela é a padroeira de dauphins na França porque um golfinho (em francês dauphin), foi supostamente encontrado esculpido em seu sarcófago.





Santa Petronila e os doentes





santa petronila chegando no céu



petronila recebida por Cristo


santa petronila amarrando o diabo

petronila servindo




medalha de santa petronila

petronila servindo os discípulos



















domingo, 29 de maio de 2011

SANTA JOANA D`ARC - 30 DE MAIO





















Nascida em Domremy , Champagen , França em 1412 , morreu em Rouen em 30 de maio de 1431. O pai de Joana, Jaques D’Arc era um fazendeiro e Joana nunca aprendeu a ler ou a escrever.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quando ela tinha 13 ou 14 anos ela teve a sua primeira experiência mística.
 
Ela ouviu uma voz chamando-a e acompanhada de uma luz.
 
 
 
 
 
 
 
 
Ela recebeu as visões quando cuidava das ovelhas do seu pai.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Visões posteriores eram compostas de mais vozes e ela foi capaz de identificar as vozes como sendo de São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarete entre outras.
 
 
 
 
 
Em 1428 suas mensagens tinham um fim especifico.
 
Era para se apresentar-se para Robert Bauricourt , que comandava o exercito do rei na cidade próxima.
 
Joana convenceu um tio a leva-la, mas Robert riu dela e comentou com o seu pai que ele deveria disciplina-la.

Mas as visões continuaram e secretamente ela deixou sua casa e retornou a Vancoulers.

 Baudricourt duvidou dela, mas modificou sua posição quando chegaram as noticias de sérias derrotas nas batalhas de Herrings do lado de fora de Orleans em fevereiro de 1429 exatamente conforme Joana havia predito.












Ele enviou Joana com uma escolta para o falar com o Rei e ela escolheu viajar disfarçada com roupas de homem para sua própria proteção.










 Em Chinon, o rei Carlos estava disfarçado, mas ela o identificou e por sinais secretos eles se comunicavam e ela o convenceu a acreditar na origem divina das sua visões e da sua missão.

Ela pediu uma tropa de soldados para ir a Orleans .

O seu pedido foi muito questionado na corte e ela foi enviada para ser examinada por um painel de teólogos em Poities.

Após um exame de tres semanas o painel aconselhou ao rei Carlos que fizesse uso dos seus serviços.

Diz a tradição que um dos membros do painel era um cardeal que conhecia a verdadeira aparência de São Miguel, muito bem guardado nos arquivos de Roma e quando perguntou a Joana com era São Miguel, ela o descreveu exatamente como estava descrito no arquivo secreto em Roma.























A ela foi dada a tropa e um estandarte especial feito para ela com a inscrição "Jesus:Maria" e o símbolo da Santíssima Trindade na qual dois anjos presenteavam a ela uma flor de lis e Joana vestia um armadura branca e sua tropa entrou em Orleans em 29 de abril .

Sua presença revigorou a cidade e em 8 de maio as forças inglesas que cercavam a cidade foram capturadas.


Ela foi ferida no peito por uma flecha o reforçou a sua reputação de guerreira.


Ela começou uma campanha em Loire com o Duque d’ Alençon, e eles se tornaram grandes amigos.


A campanha teve grande sucesso em parte graças ao elevado moral das tropas, com a presença de Joana e as tropas britânicas se retiraram para Paty e de lá para Troyes.







Joana agora estava tentando fazer com que o rei aceitasse a sua responsabilidade e lutou pela sua coroação em 17 de julho de 1429.

E a missão de Joana, conforme as suas visões, estava completada.







Daí em diante devido ao fato que Carlos não forneceu se nem suporte nem sua presença conforme prometido, Joana sofreu varias derrotas.







O ataque a Paris falhou e ela foi ferida na coxa.

 Durante a trégua de inverno Joana ficou na corte onde ela continuava sendo vista com ceticismo .











 Quando as hostilidades recomeçaram ela foi para Compiegne onde os franceses estavam resistindo ao cerco dos Burbundians.

A ponte movediças foi fechada muito cedo e Joana e suas troas ficaram do lado de fora.

Ela foi capturada e levada ao Duque de Burgundy em 24 de maio.

Ela ficou prisioneira até o fim do outono.

O rei Carlos não fez nenhum esforço em libertá-la.

Ela havia previsto que o castelo seria entregue ao ingleses e assim aconteceu. Ela foi vendida aos lideres ingleses na negociação.

Os ingleses estavam determinados a ficarem livres do poder de Joana sobre os soldados franceses .

Como os ingleses não podiam executa-la por estar em uma guerra eles forjaram uma maneira de julga-la como herege .

Em 21 de fevereiro de 1431 ela apareceu a um tribunal liderado por Peter Cauchon, bispo de Beauvais, o qual tinha esperança que os ingleses o ajudariam a faze-lo Arcebispo de Rouen.

 Ela foi interrogada sobre as vozes, sua fé e sua vestimenta masculina.

Um sumário falso e injusto foi feito e suas visões foram consideradas impuras em sua natureza, uma opinião suportada pela Universidade de Paris.

 O tribunal declarou que, se ela se recusasse a retratar, seria entregue aos seculares como um herege .

Mesmo sob tortura ela recusou a se retratar.

Quando finalmente ela foi trazida para uma sentença formal no Cemitério de Santo Ouen, diante de uma enorme multidão ela retratou-se apenas um pouco e de forma bastante incerta e foi devolvida a prisão e voltou a vestir as roupas masculinas que havia concordado em abandonar.

Ela teve a coragem de declarar que tudo que ela havia dito antes era verdade e que ela havia recuperado a sua coragem e que Deus havia na verdade enviado ela para salvar a França dos ingleses.









Assim no dia 30 de março de 1431 ela foi levada a praça pública do mercado em Rouen e queimada viva.

Joana não tinha completado 20 anos.

Suas cinzas foram atiradas no Sena.







Em 1456 sua mãe e dois irmãos apelaram para a reabertura do caso, com o que o Papa Calistus III concordou.


O julgamento e o veredicto foram anulados e ela foi canonizada como uma santa virgem e mártir.

 Ela era chamada La Pucelle "a Virgem de Orleans" .









Na arte litúrgica da Igreja Santa Joana é mostrada como uma garota numa armadura, com uma espada, ou uma lança e as vezes com uma bandeira com as palavras "Jesus:Maria" e as vezes com um capacete .






Nas pinturas mais antigas, ela tinha longos cabelos caindo nas suas costas, para mostrar que ela era virgem.






Às vezes, ela é mostrada incentivando o rei , ou seguida de uma tropa ou em roupas femininas com um espada.


Popularmente venerada por séculos, foi finalmente beatificada em 1909 e canonizada em 1920.






Foi declarada oficialmente padroeira da França em 1922.

Sua festa e celebrada no dia 30 de maio.

Ela é tambem conhecida como a Virgem de Loraine.

Estátua de Joana em Paris






Afirma-se que Joana gritava o nome de Jesus enquanto morria.
E que os soldados viram sua alma em forma de pomba subir ao céu.





O filme Joana D`arc de Luc Besson,
apesar de mostrar cenas que não têm fundamento histórico na biografia da santa, 
retratou uma Joana humana com qualidades e defeitos,
sem deixar de lado sua fé. 
Há pessoas que discordam da imagem de Joana passada pelo filme, por considerar um retrato de uma esquizofrênica.
Eu considero que como qualquer pessoa , mesmo seno uma santa Joana não teve a certeza de tudo e  teve seus momentos de dúvida . É isso que vejo no referido filme.



Santa Terezinha do Menino Jesus vestida de Joana.
Santa Terezinha era devota de Santa Joana Darc.
Uma santa francesa devota de outra.




Santa Joana rezando



Santa Joana na coroação do rei.





Joana designou um altar da Igreja de Santa Catarina de Fierbois,
 debaixo do qual se acharia uma espada, de que se deveria servir na campanha contra os ingleses.
A espada foi, de fato, encontrada.







SANTA JOANA DARC, INTERCEDEI POR NÓS!