domingo, 21 de agosto de 2016

SERVO DE DEUS DOM HÉLDER CÂMARA - 27 DE AGOSTO







Servo de Deus Dom Hélder Câmara
Arcebispo da Igreja Católica



Dom Hélder Pessoa Câmara OFS (Fortaleza, 7 de fevereiro de 1909 — Recife, 27 de agosto de 1999) foi um bispo católico, arcebispo emérito de Olinda e Recife. 





Foi um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e grande defensor dos direitos humanos durante a ditadura militar no Brasil.

Pregava uma Igreja simples, voltada para os pobres, e a não-violência. Por sua atuação, recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais. Foi o único brasileiro indicado quatro vezes ao Prêmio Nobel da Paz.









Décimo primeiro filho de João Eduardo Torres Câmara Filho, jornalista, crítico teatral e funcionário de uma firma comercial e da professora primária Adelaide Pessoa Câmara, desde cedo manifestou sua vocação para o sacerdócio.

Ingressou no Seminário Diocesano de Fortaleza em 1923, o Seminário da Prainha, então sob direção dos padres lazaristas. Nesta instituição, cursou o ginásio e concluiu os estudos de filosofia e teologia. 

Foi ordenado padre no dia 15 de agosto de 1931, em Fortaleza, aos 22 anos de idade, com autorização especial da Santa Sé, por não possuir a idade mínima exigida. 

No mesmo ano, fundou a Legião Cearense do Trabalho e, em 1933, a Sindicalização Operária Feminina Católica, que congregava as lavadeiras, passadeiras e empregadas domésticas. 

Atuou na área da educação, participando de políticas governamentais do estado do Ceará na área da educação pública. Foi nomeado diretor do Departamento de Educação do Ceará. Para aprofundar seus estudos nesta área, foi transferido em 1936 para a cidade do Rio de Janeiro, então capital da república, onde se dedicou a atividades apostólicas. Foi Diretor Técnico do Ensino da Religião.

Neste período, sente-se atraído pela Ação Integralista Brasileira, que propunha o resgate dos valores de "Deus, Pátria e Família" e declarou em discurso: "Esse programa social da Ação Integralista Brasileira é o maior programa cristão de assistencialismo da história do Brasil". Entretanto, afastou-se de qualquer compromisso político-partidário ao perceber as implicações ideológicas desta opção.

No Rio de Janeiro, teve como diretor espiritual o Pe. Leonel Franca, criador da primeira universidade católica do Brasil - a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. No período pós-guerra, fundou a Comissão Católica Nacional de Imigração, para apoio à imigração de refugiados.

Foi nomeado bispo auxiliar do Rio de Janeiro no dia 3 de março de 1952. Foi ordenado bispo, aos 43 anos de idade, no dia 20 de abril de 1952, pelas mãos de dom Jaime de Barros Câmara, dom Rosalvo Costa Rego e dom Jorge Marcos de Oliveira.





Foi um grande promotor do colegiado dos bispos e da renovação da Igreja Católica, fortalecendo a dimensão do compromisso social. Em 1950, D. Hélder entrou em contato com o Monsenhor Giovanni Batista Montini, então subsecretário de estado do Vaticano e futuro papa Paulo VI, que o apoiou e conseguiu a aprovação, em 1952, para a criação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, com sede no palácio arquiepiscopal do Rio de Janeiro. 

Nesta instituição, exerceu a função de secretário geral até 1964. O mesmo monsenhor Montini apoiou a criação do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), fundado em 1955, com sede em Bogotá. A fundação ocorreu na Primeira Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano realizada no Rio de Janeiro, tendo D. Hélder como articulador. Ele viria a participar das conferências gerais do CELAM como delegado do episcopado brasileiro até 1992. Além da conferência do Rio de Janeiro, esteve presente na Segunda Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (Medellín, 1968), na Terceira Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (Puebla, 1979) e na Quarta Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano (Santo Domingo, 1992). No CELAM, exerceu os cargos de presidente e vice-presidente.

Sua capacidade de articulação torna realidade o XXXVI Congresso Eucarístico Internacional, em 1955, no Rio de Janeiro, que contou com a presença de cardeais e bispos do mundo inteiro.








Em 1956, fundou a Cruzada São Sebastião, com a finalidade de dar moradia decente aos favelados. Desta primeira iniciativa, outros conjuntos habitacionais surgiram. Em 1959, fundou o Banco da Providência, cuja atuação se desenvolve no atendimento a pessoas que vivem em condições miseráveis.

Teve participação ativa no Concílio Ecumênico Vaticano II, sendo eleito padre conciliar nas quatro sessões do concílio. Foi um dos propositores e signatários do Pacto das Catacumbas, um documento assinado por cerca de 40 padres conciliares no dia 16 de novembro de 1965, nas catacumbas de Domitila, em Roma, durante o Concílio Vaticano II, depois de celebrarem juntos a Eucaristia. Este pacto teve forte influência na Teologia da Libertação.

Diante da conturbada situação sociopolítica nacional, a divergência de posições com Cardeal Dom Jaime Câmara torna difícil sua permanência no Rio de Janeiro.

No dia 12 de março de 1964 foi designado para ser arcebispo de Olinda e Recife, Pernambuco, múnus que exerceu até 2 de abril de 1985. Instituiu um governo colegiado nesta diocese, organizada em setores pastorais. Criou o Movimento Encontro de Irmãos, o Banco da Providência e a Comissão de Justiça e Paz daquela diocese. 
Fortaleceu as comunidades eclesiais de base.

Estabeleceu uma clara resistência ao regime militar. Tornou-se líder contra o autoritarismo e pelos direitos humanos. Nâo hesitou em utilizar todos os meios de comunicação para denunciar a injustiça. 







Pregava no Brasil e no exterior uma fé cristã comprometida com os anseios dos empobrecidos. Foi perseguido pelos militares por sua atuação social e política, sendo acusado de comunismo. Foi chamado de "Arcebispo Vermelho". 





Foi-lhe negado o acesso aos meios de comunicação social após a decretação do AI-5, sendo proibido inclusive qualquer referência a ele. Desconhecido da opinião pública nacional, fez frequentes viagens ao exterior, onde divulgou amplamente suas ideias e denúncias de violações de direitos humanos no Brasil. Foi adepto e promotor do movimento de não-violência ativa.

Suas posições políticas lhe renderam pesadas críticas, sendo seu algoz nos meios de comunicação o jornalista e teatrólogo Nélson Rodrigues, que afirmava que "D. Helder só olha o céu para saber se leva ou não o guarda-chuva".

Em 1984, ao completar 75 anos, apresentou sua renúncia. Em 15 de julho de 1985, passou o comando da Arquidiocese a Dom José Cardoso Sobrinho. 








Continuou a viver em Recife, nos fundos da Igreja das Fronteiras, onde vivia desde 1968. Morreu aos 90 anos em Recife no dia 27 de Agosto de 1999.





Em solenidade, restos mortais de Dom Helder, Dom Lamartine e padre Henrique são trasladados.
Os restos mortais do arcebispo, do bispo auxiliar, Dom José Lamartine; e do padre Antônio Henrique Pereira foram sepultados em túmulos definitivos em uma capela lateral da Catedral da Sé de Olinda - Pernambuco.





O Regional Nordeste 2 da CNBB, a arquidiocese de Olinda e Recife, o Instituto Dom Hélder Câmara (IDHeC) e a Universidade Católica de Pernambuco promoveram a comemoração do centenário de Dom Hélder, que foi celebrado em 7 de fevereiro de 2009. O objetivo é manter viva a sua memória e a sua luta pela solidariedade e justiça social.

Seu primeiro título veio em 1969, de doutor honoris causa pela Universidade de Saint Louis, Estados Unidos. Este mesmo título foi-lhe conferido por diversas universidades brasileiras e estrangeiras: Bélgica, Suíça, Alemanha, Países Baixos, Itália, Canadá e Estados Unidos, alcançando um total de 32 títulos.

Foi intitulado Cidadão Honorário de 28 cidades brasileiras e da cidade de São Nicolau na Suíça e Rocamadour, na França.

 Recebeu o Prêmio Martin Luther King, nos Estados Unidos e o Prêmio Popular da Paz, na Noruega e diversos outros prêmios internacionais.

Foi o segundo mais votado como Brasileiro do Século na categoria Religião pela revista IstoÉ.

Disputa do prêmio Nobel
Foi indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz pelo seu combate à ditadura e às torturas no Brasil. Em 1970, o então presidente da República Emílio Garrastazu Médici instruiu pessoalmente o embaixador brasileiro na Noruega para tentar impedir que este prêmio lhe fosse concedido. Sofre uma intensa campanha por parte do regime militar, o Serviço Nacional de Informações se encarregou de divulgar uma foto de quando D. Hélder era integralista na década de 1930, por meio das embaixadas do Brasil em Oslo e em Paris esta foto foi difundida na Europa. Colaborando com o esforço da ditadura na Noruega, o milionário Tore Munch, escreveu um artigo propondo a desclassificação de D. Hélder, acusando-o de oportunista.

 Estas manobras fizeram com que o ganhador fosse Norman Borlaug,criador do milho híbrido. Por outro lado, a campanha contra d. Hélder fez com que a igreja brasileira se unisse em sua defesa, mesmo aqueles que toleravam o regime.

Instituto Dom Hélder Câmara
O acervo histórico de Dom Hélder é mantido pelo Instituto Dom Hélder Câmara, em Recife.


Manuel Bandeira (3º da esquerda para direita em pé), Alceu Amoroso Lima (5ª posição) e Dom Hélder Câmara (7ª) e sentados (da esquerda para direita), Lourenço Filho, Edgar Roquette-Pinto e Gustavo Capanema, Rio de Janeiro, 1936

Ordenações episcopais
Dom Hélder ordenou varios padres entre eles:

Dom Antônio Fernando Saburido
Dom Hélder presidiu às celebrações das ordenações episcopais dos seguintes bispos:

Dom Tiago Postma
Dom Marcelo Pinto Carvalheira
Foi concelebrante da ordenação episcopal de:

Dom José Vicente Távora
Dom Agnelo Cardeal Rossi
Dom Geraldo Maria de Morais Penido
Dom João Batista da Mota e Albuquerque
Dom Diego Parodi, MCCI
Dom Giovanni Ferrofino
Dom José Lamartine Soares.

Homenagens póstumas:
Prêmio Dom Hélder Câmara de Imprensa
O Prêmio Dom Hélder Câmara de Imprensa foi instituído pela Assessoria de Imprensa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em 2002, por ocasião dos seus 50 anos de fundação. Tem por objetivo premiar profissionais e trabalhos jornalísticos voltados para a promoção do bem comum, a construção de valores humanos, cristãos e éticos.

O nome para o Prêmio é mais que justo, pois dom Hélder Câmara foi uma personalidade que muito contribuiu para a construção de uma comunicação em estreita aliança com a libertação do homem e a elevação dos valores que dão fundamento a uma sociedade justa, igualitária.

O troféu Dom Hélder Câmara de Imprensa traz a escultura de um cajado, símbolo do Pastor. Na Bíblia, a missão do Pastor é proteger e defender a vida das ovelhas, assegurar-lhes pastagem e matar-lhe a sede. O cajado é sua arma para afugentar tudo que ameaça as ovelhas. A Igreja tomou este símbolo para significar a missão do bispo, pastor do povo de Deus. Sua missão é cuidar e anunciar a todos a vida trazida por Jesus Cristo


Dom Hélder e o Papa São João Paulo II





Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara

A Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara, do Senado Federal, foi criada em 2010, e destina-se a agraciar personalidades que tenham oferecido contribuição relevante à defesa dos direitos humanos no Brasil.

Abertura de processo de canonização
Em 27 de maio de 2014, o arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido anunciou o envio de uma carta ao Vaticano solicitando a abertura de processo de canonização de Dom Hélder.  A carta foi recebida pelo Vaticano no dia 16 de fevereiro de 2015 e, menos de dez dias depois, o parecer favorável foi emitido pela Congregação para as Causas dos Santos, com o que recebeu o título de Servo de Deus em 7 de abril de 2015.

 A abertura do processo de beatificação foi convocada para o dia 3 de maio, na catedral de Olinda. A instalação do tribunal nessa data marcou o início da fase diocesana do processo de beatificação.

Na Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Dom Hélder já se encontra no calendário de santos e sua festa litúrgica é comemorada em 27 de agosto.












ALGUMA FRASES DE DOM HÉLDER

1)-As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros, leva-as no coração. 



2)-Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para permancer sempre o mesmo. 



3)-Um dos meus anseios de chegar ao infinito é a esperança de que, ao menos lá, as paralelas se encontrem. 


4)-Esperança é crer na aventura do amor, acreditar  nos homens, pular no escuro, confiando em Deus.

5)-O segredo de ser jovem mesmo quando os anos passam, deixando marcas no corpo, é ter uma causa a que dedicar a vida.

6)- Condeno toda e qualquer violência ativa , pois o Cristão a exemplo de Cristo, não mata, mas dar a vida.

7)- A opção preferencial da Igreja pelo pobre não deve ser exclusiva ao pobre, nem excluindo os ricos do reino de Deus, pois tem rico que é tão pobre, que a única coisa que tem é dinheiro...

8)-Os homens gastam-se tanto em palavras que não conseguem entender o silêncio de Deus.

9)-Que importa que ao chegar eu nem pareça pássaro. Que importa que ao chegar eu venha me arrebentando, caindo aos pedaços, sem aprumo e sem beleza. Fundamental é cumprir a missão E cumpri-Ia até o fim. 


10)-Não há penitência melhor do que aquela que Deus coloca em nosso caminho todos os dias. 











11)- A vida é um dom de Deus e feliz de quem atravessa a vida inteira tendo mil razões para viver. 



12)-Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto porque eles são pobres, chamam-me de comunista. Pobre não precisa só de caridade, mas também de Justiça.


13)-Quando sonhamos sozinhos é só um sonho; mas quando sonhamos juntos é o início de uma nova realidade.

14)-Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio... 


15)-Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante ...Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo... 

16)-O amor é o perfume das almas. 


17)-Só as grandes humilhações nos levam ao recesso último de nós mesmos, lá onde as fontes interiores nos banham de luz, de alegria e de paz.

18)- Pessoas Cana-de-açúcar, são aquelas que mesmo, sendo torturadas, esmagadas e espremidas pelas circunstãncias da vida, só dar o melhor de si: Doçura...

19) -  " Não podemos ser bons, pois bom só Deus, mas podemos ser justos e agir com justiça..."


20)- Devemos tomar cuidado com uma eclesiologia vinda de baixo, baseada tão somente no Senso Comum dos fieis, pois devemos lembrar que a multidão dos fieis que seguiam Cristo e o aclamaram : " Hozana ao filho de Davi !!!",pouco tempo depois, esta mesma multidão, estava a dizer : " Crucifíca-o !!!"







sexta-feira, 19 de agosto de 2016

SÃO JOSÉ CALAZANS - 25 DE AGOSTO -PADROEIRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS




São José de Calasanz, na Basílica de São Pedro



São José Calazans nasceu em Petralta, na Aragônia e era filho de pais nobres e ricos. Profundamente religiosos, cuidaram de dar ao filho uma educação sólida, não descurando o elemento científico. Tiveram a grande satisfação de ver coroados de belo êxito os seus esforços.
O pequeno José, dentre os companheiros de infância, distinguia-se pela extraordinária caridade, e pelo espírito de oração. Todos lhe queriam bem, e grande era a influência moral que exercia sobre os condiscípulos. 




Tinha por ocupação predileta reunir crianças pobres para com elas rezar ou instruí-las na doutrina cristã. Terminado o curso primário, José estudou Filosofia e Direito, em Lérida, onde defendeu tese com grande brilhantismo, sendo-lhe conferido o grau de doutor em Direito.
Contrário aos planos do pai, que desejava ver o filho em elevada posição social, dedicou-se ao estudo da Teologia, na Universidade de Valência.
Para se esquivar às perseguições de uma senhora nobre e influente, transferiu-se para Alcalá, de Henares, onde continuou os estudos. Já naquela ocasião começou a prática de penitenciar o corpo, para treiná-lo na luta contra as paixões.
Em 1579 morreu-lhe numa guerra, o único irmão - Pedro. Quis então o pai que José voltasse para casa, e tomasse estado; desistiu, porém, da sua insistência, vendo que a proposta não era do agrado do filho. Assim José pôde continuar os estudos e formar-se em Teologia. Mais tarde o pai voltou a pleitear as idéias sobre casamento. José caiu gravemente doente. O restabelecimento do jovem, um verdadeiro milagre, foi por todos atribuído à cedência do pai na questão referida. 





Uma vez conseguida a aquiescência paterna, José ordenou-se em 1585.
Seu desejo era viver na solidão; sem dúvida o teria realizado, se um amigo, o Bispo de Lérida, João Gaspar de Figueira não o tivesse convencido da obrigação de dedicar o seu talento aos trabalhos na vinha do Senhor. “Tua vocação - escreveu-lhe esse Bispo - é a de lutar. É teu dever entregar-te à luta pela salvação de tua alma e de outros, e não podes, para tua tranqüilidade, deixar a Igreja no meio do combate”.





Estas palavras profundamente impressionaram o jovem sacerdote, que imediatamente abandonou a casa paterna, e se pôs às ordens do Prelado.
Nova Castela, Aragão e Catalunha foram-lhe durante oito anos, o campo de trabalhos apostólicos. Com resultado extraordinário, trabalhou pela pacificação das famílias e pela reforma dos costumes. Uma voz interna, porém, como em visão singularíssima, chamava-o insistentemente a Roma, para onde de fato se dirigiu, em 1592.
Na capital da Cristandade se dedicou ao ensino da infância. O tempo que sobrava, pertencia à oração, à visita aos doentes e a outras obras de caridade. Quando irrompeu a peste, ele e São Camilo se sacrificaram no serviço dos doentes e no sepultamento dos mortos. Todas as noites visitava as sete igrejas principais da cidade.
Para dar à sua vida uma orientação mais positiva, fez-se inscrever na irmandade da doutrina cristã. Vendo, porém, que sozinho não lhe era possível realizar os planos de sã reforma do sistema escolar vigente, associou-se com alguns homens piedosos e, em Setembro de 1597, abriu as primeiras escolas gratuitas. 




Aos alunos pobres a diretoria fornecia gratuitamente os necessários objetos escolares e roupa. Essas escolas popularizaram-se de tal maneira, que Felipe III, da Espanha, desejou a volta de José para sua terra, e ofereceu-lhe um Bispado. O humilde servo de Deus, porém, preferiu ficar na Itália.
Para dar à obra a garantia de subsistência segura, concebeu o plano de fundar uma Congregação. Os trabalhos do santo homem eram visivelmente abençoados por Deus. A matrícula dos alunos de José Calazans e dos companheiros atingiu em pouco tempo o número de setecentos. Tão brilhantes resultados e principalmente o bom espírito que reinava entre os estudantes, chamaram a atenção do Santo Padre, que nomeou dois Cardeais para examinarem a obra das assim chamadas Escolas Pias. A impressão que estes levaram, foi a mais grata possível, e o Cardeal Antoniani doou uma grande fortuna às escolas de José Calazans.
Em 1617, o Papa Paulo V reuniu as Escolas Pias, dando-lhes a feição de uma Congregação, cujos, membros viveriam em comunidade, sob a observância de uma regra e dos três votos - pobreza, castidade e obediência.
Clemente IX em 1699, concedeu aos religiosos das Escolas Pias novos privilégios, e deu aos votos por eles emitidos o caráter de votos solenes. A Ordem propagou-se na Itália, na Espanha, na Áustria e Polônia, tomando grande incremento nesses países.
José Calazans viveu unicamente para sua obra, dedicando-se de uma maneira heróica ao ensino de moços pobres. Os sacrifícios, as penitências mereceram-lhe distinções extraordinárias de Deus. 





Diversas vezes lhe apareceu a Santíssima Virgem, cujo culto lhe era peculiar desde a infância, e cuja devoção não se cansava de recomendar à mocidade.





Deus deu-lhe também o dom de ler nas consciências dos outros, de conhecer coisas futuras e distantes. Não eram raros os casos de praticar milagres em presença dos alunos. 




Domenico Corvi, O Milagre de São José Calasanz ressuscitar uma criança em uma igreja em Frascati, ca 1775. Óleo sobre tela; 18 1/2 x 69 1/4 in. O Ella Gallup Sumner e Mary Catlin Fundo Coleção Sumner, 1.981,24.


Francisco de Goya y Lucientes 010.jpg

A última comunhão de São José Calasanz , por Goya (1819)

No dia 22, sentindo-se próximo do fim, recebeu o viático e passados três dias entregou sua alma ao Criador. Multidões acorriam a vê-lo pela última vez e milagres se operavam em quantidade. A vox populi já o exaltava, antecipando o que a Igreja declararia 100 anos depois, ao concluir um processo com documentos e provas indubitáveis: José de Calasanz praticou as virtudes em grau heróico.


O dia da sua própria morte Deus lho predisse. José Calazans morreu no dia 25 de Agosto de 1648, na idade de 92 anos. Cem anos depois lhe foram encontrados intactos o coração e a língua. Tendo sido numerosos os milagres, com que Deus glorificou o túmulo de seu servo, Clemente XIII, em 1767, inseriu o nome de José Calazans no registro dos Santos da Igreja.






Oração :
 Deus, nosso Pai, 
São José Calasanz dedicou a sua vida 
em favor das crianças carentes e maginalizadas de seu tempo. 
Ainda hoje esta chaga continua sangrando
 não somente em nossas grandes metrópoles,
 mas também nos campos e nos lugares mais afastados.
 Vítimas da fome, a miséria, a violência dos adultos,
 das contradições humanas, 
milhões e milhões de crianças, 
espezinhadas em seus mais fundamentais direitos, 
perdem-se nessa travessia de vida sem nunca chegar. 
São tragadas por este mundo que de nós,
 adultos inconseqüentes, herdaram. 
Elas clamam pelo pão que mata a fome, 
o pão a educação, do amor, da ternura e do afeto, da participação, de uma vida digna e humana, o pão da justiça e da verdade.








FONTES:
https://en.wikipedia.org/wiki/Joseph_Calasanz
http://www.santoprotetor.com/sao-jose-calasanz/
http://www.arautos.org/especial/62172/Sao-Jose-de-Calasanz---ldquo-Qui-seminant-in-lacrimis----rdquo-.html
http://catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=B95585FF-97B3-3808-6E27C233B9D9597F&mes=Agosto1999


FILME: A VIDA DE SANTA HELENA ( FESTEJADA 18 DE AGOSTO) revista r (1ª PEREGRINA DO MUNDO) Mãe do Imperador...

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

SANTA JOANA MARIA DA CRUZ ( Joana Jugan)- PADROEIRA DOS CUIDADORES DE IDOSOS E DOS IDOSOS DESAMPARADOS - 29 de agosto


    


     Joana nasceu numa aldeia de Cancale, França, em 25 de outubro de 1792. Era a sexta de oito filhos de José e Maria Jugan. Seu pai era um pescador e morreu no mar quando ela tinha quatro anos; sua mãe cuidou sozinha desta grande família.
     Logo conheceu a pobreza e, com 16 anos, começou a trabalhar como empregada na cozinha dos Viscondes de la Choue para ajudar no sustento da família. A viscondessa era uma piedosa católica que Joana acompanhava em suas visitas aos doentes e aos pobres. Joana era sensível à miséria dos idosos que encontrava nas ruas, dividindo com eles seu salário, o pão e o tempo de que dispunha.






     Aos dezoito anos de idade recusou uma proposta matrimonial de um jovem marinheiro, sinalizando: “Deus me quer para Ele”. 





Aos vinte e cinco anos deixou sua cidade para ser enfermeira no Hospital Santo Estevão. Nesse meio tempo ingressou na Ordem Terceira fundada por São João Eudes.




     Ela trabalhava muito neste emprego, mas seis anos depois, em 1823, ela deixou o hospital e foi trabalhar como cuidadora de uma senhora de 72 anos de idade, a Srta. Francisca Aubert Lecog, mais como amiga do que enfermeira, onde ficou por doze anos.





     Em 1837, elas alugaram parte de uma pequena propriedade e a elas de juntou Virginia Tredaniel, uma órfã de 17 anos. Durante este período, as três mulheres formaram uma comunidade católica de oração e começaram a ensinar o catecismo para as crianças e a cuidar de pobres e outros necessitados, até o falecimento da Srta. Lecog.





Santa Joana Maria da Cruz



     Joana trouxe uma viúva cega, Ana Chauvin, para viver com elas e inclusive permitiu que a mulher dormisse em sua cama. Este ato de caridade, aprovado por suas amigas, levou Joana a focar sua atenção na missão de assistência às mulheres idosas abandonadas.



Image result for SAINTE jeanne JUGAN

     Sozinha Joana iniciou sua campanha junto à população para recolher auxílios, tarefa que cumprirá até a morte. Mas logo sensibilizou uma rica comerciante e com essa ajuda conseguiu comprar um antigo convento. 
Ele se tornou a casa mãe da nascente Congregação das Irmãzinhas dos Pobres, sob a assistência da Ordem Hospedeira de São João de Deus.




     Joana escreveu uma regra simples para esta nova instituição de mulheres; elas devem ir diariamente de porta em porta pedir alimento, roupas e dinheiro para as mulheres sob seus cuidados. Esta era a missão de Joana, e ela a desempenhou pelas próximas quatro décadas.



File:Jeanne Jugan par Nadar.JPG



      Ao receber o hábito de religiosa, tomou o nome de Joana Maria da Cruz. Adotando o voto de hospitalidade, imprimiu sua própria vocação: “a doação como apostolado de caridade para com quem sofre por causa da idade, da pobreza, da solidão e outras dificuldades”.
    A Congregação rapidamente se estendeu por vários países da Europa. Em 1847, a pedido de Leo Dupont (conhecido como o Santo Homem de Tours), ela estabeleceu uma casa em Tours. Ela trabalhou com as autoridades religiosas e civis buscando ajuda para os pobres.
     Quando Joana Jugan morreu na França, em 29 de agosto de 1879, na casa mãe de Pern, França, as Irmãzinhas eram quase duas mil e quinhentas, com cento e setenta e sete casas em dez países. Ela foi sepultada naquela casa de Pern.






     Naquele ano, Leão XIII aprovou as Constituições da Congregação. Em setembro de 1885, a Congregação chegou à América do Sul e fez sua primeira fundação em Valparaiso, Chile, que logo foi destruída por um terremoto e reconstruída em Viña Del Mar. Hoje são quase duzentas casas em trinta e um países na Europa, América, África, Ásia e Oceania.






     Madre Joana Maria da Cruz, que “soube intuir as necessidades mais profundas dos anciãos e entregou sua vida à seu serviço”, foi beatificada em 3 de outubro de 1982 e canonizada em 11 de outubro de 2009.
     Hoje os peregrinos podem visitar a casa onde ela nasceu em Cancale, a Casa da Cruz em Saint-Servan, e a casa mãe onde ela viveu os últimos 23 anos de sua vida, em La Tour Saint Joseph, em Saint-Pern.










Casa Natal de Santa Joana Maria da Cruz



ORAÇÃO 
Senhor Pai de bondade, 
dai-nos a graça de seguir o zelo de santa Joana pelos idosos
 e respeitar as pessoas da terceira idade 
como verdadeiros filhos de Jesus Cristo. 
Que vive e reina para sempre.
AMÉM!









O carisma de santa Joana ainda continua atual. 
Numa sociedade que trata seus idosos como inúteis e incapazes, somos convidados, pela nossa opção de fé, a reconhecer o valor das pessoas que estão na terceira idade e zelar para que elas encontrem formas dignas de vida em comunidade.












FONTES:
http://365rosaries.blogspot.com.br/2011/08/august-30-saint-jeanne-jugan-foundress.html
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jeanne_Jugan_par_Nadar.JPG
http://www.christsauveur64.org/evenements-marquants/32-test-archives.html
http://compagniadeiglobulirossi.org/blog/2009/08/le-piccole-sorelle-dei-poveri-jeanne-jugan-e-i-fatebenefratelli/
https://www.google.com.br/search?tbm=isch&tbs=rimg%3ACWGwm3WPFtAsIjh21nmY7nIlrCCnWCr6juoDODOG8v5vWXWKE62B00MrL9qA-Jx3c136tNs0rYBGap7dbWVODv6r2ioSCXbWeZjuciWsEYEZ5GcL3FBtKhIJIKdYKvqO6gMRDKE7ANafSukqEgk4M4by_1m9ZdRF6zEwhp7SsAyoSCYoTrYHTQysvEYhIOI8ACQ2UKhIJ2oD4nHdzXfoResxMIae0rAMqEgm02zStgEZqnhEamRdRh6zpACoSCd1tZU4O_1qvaER-BIANPkZu0&q=SAINTE%20jeanne%20JUGAN&bih=585&biw=1242&ved=0ahUKEwj0vYnJqMvOAhWDjZAKHfMjDEEQ9C8ICQ#imgrc=2oD4nHdzXfoJlM%3A
https://www.google.com.br/search?tbm=isch&tbs=rimg%3ACRHXY8aN3nw2IjgYPQEtAJenHtyFpJ6lxuvQy_1EUJ6tGV_1cLYfLw8rtBv91tZU4O_1qvaWI96BO2F0OH9HLHNWTcRwyoSCRg9AS0Al6ceEXMvPw8mDfnuKhIJ3IWknqXG69ARyGtp04_17hykqEgnL8RQnq0ZX9xExHNjc2VHuIioSCQth8vDyu0G_1Eatschnb5r2XKhIJ3W1lTg7-q9oRH4EgA0-Rm7QqEglYj3oE7YXQ4RGdDEbVWEUExSoSCf0csc1ZNxHDEWUW7_1kf2Jbq&q=SAINTE%20jeanne%20JUGAN&bih=585&biw=1242&ved=0ahUKEwjVrLutpsvOAhUIQ5AKHfvyDhAQ9C8ICQ#imgrc=ysspn3WAhIITVM%3A