quarta-feira, 27 de abril de 2011

SANTA ZITA - 27 DE ABRIL - PADROEIRA DAS EMPREGADAS DOMÉSTICAS













Natural de Montesegradi (Itália), filha de pais pobres mas honestos e piedosos, nasceu Zita em 1212 e, graças à sólida educação que recebeu na casa paterna, bem cedo seguiu o caminho da virtude e da perfeição cristã.









Zita era uma menina, por sua mansidão e modéstia de todos querida.

Educada no santo temor de Deus, pouco falava, tanto mais trabalhando e conservando sua alma em constante recolhimento.


Tendo doze anos, se empregou na casa de um nobre, senhor de nome Pagano di Fatineli, que residia perto da igreja de São Fridigiano, na cidade de Luca.








Bem cedo, antes dos outros levantarem-se, ia à igreja assistir à missa.

À hora marcada infalivelmente se achava no seu trabalho.












48 anos serviu Zita àquela família, sempre com a mesma pontualidade e dedicação.

"Quatro são as principais qualidades, que uma empregada deve ter - costumava ela dizer : temor de Deus, obediência, fidelidade e amor ao trabalho".

Zita possuía todos estes predicados no mais alto grau.

O que nela mais se admirava, era a paciência e o bom humor, que a acompanhavam em toda a parte, e a submissão a seus patrões, mesmo nas condições mais difíceis.

O tempo que lhe restava de seus afazeres, empregava-o com orações e boa leitura, não deixando nunca de elevar seu espírito a Deus também no meio do trabalho.

Zita fugia dos divertimentos profanos; tanto maior era seu amor à oração e à penitência.

O jejum e as esmolas faziam parte de sua vida.

O cilício o tinha em uso constante, e para dar descanso ao corpo, o leito era substituído por umas duras tábuas.

Pessoas que a conheciam de perto, testemunharam terem-na visto freqüentes vezes em estado de êxtase.

Fatos admiráveis e extraordinários em grande número provam com quanto agrado Deus olhava para as obras de sua serva Zita.










Em uma determinada noite do ano de 1250, quando voltava atrasada para casa, veio a seu encontro, para fazer-lhe companhia, uma senhora, até então “desconhecida”.










Como na época as cidades em sua zona urbana eram muito pequenas e concentradas em prédios geminados, por medida de segurança eram cercados por muralhas e acessadas por um grande portão principal.

 Em conseqüência do avançado da hora, Zita e sua “acompanhante”, encontraram o portão já trancado.

 Qual não foi a surpresa da humilde trabalhadora, o portão abriu-se sem ninguém tocá-lo.

Assim as duas conseguiram chegar até a casa de Zita.

 Nesse momento a humilde doméstica recebeu a graça de uma iluminação divina e reconheceu em sua companheira de caminhada a Virgem Santíssima.

 Quase que instantaneamente a este discernimento Nossa Senhora desapareceu.










 Certa vez, um mendigo pediu a esta um copo de vinho. Zita, não dispondo de nenhuma gota desta bebida para servir ao pobre, foi com o cântaro à fonte, e cheio deu-o ao mendigo.











Este não pouco se admirou quando, levando-o à boca, provou um vinho delicioso.

As frutas no celeiro, a farinha na dispensa multiplicavam-se nas mãos de Zita todas as vezes que, com licença dos patrões, tirava um tanto para seus pobres.














Certa ocasião, quando todos iam assistir à missa do galo na noite de Natal, fazendo um frio intensíssimo, o patrão de Zita ofereceu-lhe sua pelúcia.








Zita aceitou-a, mas para dá-la a um pobre que tiritava de frio. Disse-lhe, porém, que no fim da missa, devia restituir.

 Terminada a missa o pobre não apareceu e Zita teve de voltar para casa sem a pelúcia e que lhe importou forte censura do patrão.

 Pelo meio dia à hora do jantar, veio o pobre, e com muitos agradecimentos entregou a pelúcia retirando-se.

O patrão ao ver isto, começou a formar conceito mais elevado de sua empregada.

Jamais alguém a viu encolerizada.

 Só se em sua presença alguém se atrevia a dizer uma palavra que ofendesse a virtude angélica, Zita não continha sua indignação.

A um jovem que menos respeitosamente se atrevera a aproximar-se de sua pessoa com malícia , aplicou-lhe uma forte bofetada, pondo imediato fim aos seus intentos.

Quanto Zita chegou a completar sessenta anos, quiseram seus amos aliviá-la em seu trabalho, a que a santa empregada se opôs.

Deus, porém, mandou-lhe sinais indubitáveis de sua próxima morte.

Zita preparou-se então santamente para a última recepção dos santos sacramentos.

 No dia 27 de abril de1272, sua alma voou para o Céu.

Neste dia, apareceu sobre sua morada uma estrela de brilho extraordinário.

As crianças do lugar,vendo-a , exclamaram: "De certo morreu a Santa Zita, vamos vê-la".

Seu corpo foi depositado na igreja de São Fridigiano.



CORPO DE SANTA ZITA






No ano de 1580 foi aberto o túmulo e o corpo encontrado intacto.


Muitos milagres foram registrados no lugar de sua sepultura.

Santa Zita foi canonizada pelo Papa Inocêncio XII.



ALTAR ONDE REPOUSA O CORPO DE SANTA ZITA




CORPO EXPÔSTO À VENERAÇÃO













Oração:



"Ó Santa Zita, que no humilde trabalho doméstico soubestes ser solícita como foi Marta, quando servia Jesus, em Betânia, e piedosa como Maria Madalena, aos pés do mesmo Jesus, ajudai-me a suportar com ânimo e paciência todos os sacrifícios que me impõem os meus trabalhos domésticos: ajudai-me a tratar as pessoas da família que sirvo como se fossem meus irmãos.

Ó Deus, recebei o meu trabalho, o meu cansaço e minhas tribulações, e pela intercessão de Santa Zita, dai-me forças para cumprir sempre meus deveres, para merecer o reconhecimento dos que sirvo e a recompensa eterna no céu. Santa Zita, ajudai-me.

Amém."



MILAGRE DE SANTA ZITA
AS ESMOLAS MUDARAM EM ROSAS
PARA NÃO SER PERSEGUIDA PELO PATRÃO












SANTA ZITA DANDO A BEBER UM POBRE














SANTA ZITA E O MILAGRE DA ÁGUA EM VINHO





CORPO MUMIFICADO DE SANTA ZITA





SANTA ZITA E  SEU ANJO DA GUARDA




SANTA ZITA AJUDANDO OS POBRES























































Um comentário: